sexta-feira, 24 de maio de 2019

Maurício de Sousa: Maravilhoso!!


Dorina ficou cega aos 17 anos, por causa de uma doença não diagnosticada. Percebendo que faltavam livros em braile em nosso país, criou em 1946 a Fundação para o Livro do Cego no Brasil, que deu origem à Fundação Dorina Nowill para Cegos. Ela foi a primeira aluna cega a frequentar um curso regular na Escola Normal Caetano de Campos, em São Paulo. Dorina especializou-se em educação de cegos nos EUA, onde participou de uma reunião com a Diretoria da Kellog's Foundation e contou sobre o problema da falta de livros em braile no Brasil. Em 1948, a Fundação recebeu um sistema completo para imprimir em braile, com máquinas, papel e outros materiais. Além da educação, outra preocupação de Dorina sempre foi a prevenção da cegueira. Dorina inspirou a criação da personagem Dorinha.

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Tem que saber que eu quero...

Publicidade anos 1920

Tem que saber que eu quero correr mundo
Correr perigo
Eu quero é ir-me embora
Eu quero dar o fora
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo

(Caetano Veloso, na música Você não entende nada)

terça-feira, 21 de maio de 2019

Envelhecer é...

Frank Owen Salisbury

"Envelhecer é passar da paixão à compaixão."

(Albert Camus, escritor franco-argelino)

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Vasto, dourado à luz do meio-dia...

João Baptista da Costa

“Vasto, dourado à luz do meio-dia, … o vale de Araçoiaba era duma beleza forte e impressionante de paisagem sertaneja. Ao fundo barravam-lhe a perspectiva, altas, abruptas, as serras de Baturité e do Acarape, onde emergiam da verdura brancos telhados de granito, faiscando ao sol. A glória luminosa do dia enchia tudo. Sob ela cintilavam os penhascos, incendiam-se as micas, palhetavam-se de tons flavos as águas paradas de uma lagoa ao longe. Aqui e ali uma grande árvore derramava sombra numa fachada clara de casa matuta ou espargia frescura sobre um quintalejo benfeitorizado. Pelo recosto do cerro descia em ondulações de veludo novo uma capoeira densa, de fetos, de marmeleiros e ameixeiras bravas. Por tudo e em tudo, do alto azul do céu à calma horizontal das águas empoçadas, do dorso corcovado dos montes às extensões lisas da planície, sorria farta, orgulhosa, a pompa régia do inverno. A terra tinha um nobre e calmo aspecto de abundância; o céu, um claro riso de bondade e proteção.”

(Gustavo Barroso, em texto da antologia Flor do Lácio)

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Maurício de Sousa: Maravilhoso!!


A cientista Marie Curie foi a primeira mulher a receber um Prêmio Nobel, e a primeira pessoa a ganhar dois: em Física e Química. Nascida na Polônia, ela estudou na França, onde se formou em uma das universidades mais importantes do mundo, a Sorbonne. Ela até tentou voltar para seu país natal e trabalhar em sua área de estudos, mas foi recusada pela Universidade de Cracóvia pelo fato de ser mulher. Em 1895, casou-se com o físico Pierre Curie e, juntos, começaram a pesquisar sobre radioatividade (palavra criada por ela), que tinha sido descoberta por outro cientista, Henri Becquerel. Pelos estudos sobre radioatividade, ela ganhou o Nobel de Física em 1903, prêmio compartilhado com Becquerel e Pierre. Suas pesquisas levaram à descoberta dos elementos químicos polônio e rádio, pelas quais ganhou seu segundo Nobel, de Química, em 1911. Como os perigos da radiação eram desconhecidos, ela não usava proteção durante os experimentos e morreu de uma doença causada pela radioatividade.

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Cada classe social tem...

Lucien Jonas

“Cada classe social tem a sua patologia.”

(Marcel Proust, escritor francês)

quarta-feira, 15 de maio de 2019

15/05 - Dia Internacional da Família

Emmanuel Garant

"Não é a carne e o sangue, e sim o coração, que nos faz pais e filhos."

(Friedrich Schiller, poeta, filósofo, médico e historiador alemão)

terça-feira, 14 de maio de 2019

Um livro é o nascimento de uma viagem...

Marzena Naliwajko

“Um livro é o nascimento de uma viagem, o traçado de um itinerário.”

(Tahar Ben Jelloun, escritor franco-marroquino)

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Todos somos iguais...

Joseph Eze

"Todos somos iguais perante a lei, mas não perante os encarregados de fazê-las cumprir."

(S. Jerzy Lec, poeta polonês)

domingo, 12 de maio de 2019

Dia das Mães

Diane Leonard

MÃE...
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais...
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena
Confessam mesmo os ateus
És do tamanho do céu
E apenas menor do que Deus!

(Mário Quintana)

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Maurício de Sousa: Maravilhoso!!


A paquistanesa Malala se tornou a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz. Ela recebeu a homenagem em 2014, aos 17 anos, ao lado do indiano Kailash Satyarthi. Malala ficou conhecida mundialmente por sua atuação como defensora do acesso de meninas e adolescentes a escolas em seu país. O Paquistão tem áreas dominadas pelo movimento Talibã, formado por extremistas contrários à educação feminina. Malala vivia no vale do Swat e estudava na escola de seu pai, que sempre a incentivou. Em 2008, ela passou a escrever o blog Diário de uma Estudante Paquistanesa, em que contava como gostava de estudar e falava das dificuldades de viver sob o domínio talibã. Apesar de assinar com pseudônimo (nome inventado), logo a identidade da autora ficou conhecida. Por essa luta, Malala foi baleada na cabeça quando saía da aula, aos 15 anos, mas sobreviveu e virou símbolo da luta pelo direito de estudar.

quinta-feira, 9 de maio de 2019

A verdade não é filha...

John Dawson Watson

“A verdade não é filha da autoridade, mas sim, filha do tempo.”

(Francis Bacon, filósofo britânico)

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Ler um livro é para o bom leitor...

Carlton Alfred Smith

“Ler um livro é para o bom leitor conhecer a pessoa e o modo de pensar de alguém que lhe é estranho. É procurar compreendê-lo e, sempre que possível, fazer dele um amigo.”

(Hermann Hesse, escritor alemão)

terça-feira, 7 de maio de 2019

7 de Maio - Dia do Silêncio

Chen Shuzhong

“Quando falar, cuide para que suas palavras sejam melhores que seu silêncio.”

(Provérbio árabe)

segunda-feira, 6 de maio de 2019

A ambição é uma droga...

Félix Armand Heullant

“A ambição é uma droga que faz daquele que se lhe entrega um demente em potencial.”

(Emil Cioran, escritor romeno)

domingo, 5 de maio de 2019

05/05 - Dia Internacional da Língua Portuguesa

Georgette Agutte

“A pátria não é a raça, não é o meio, não é o conjunto dos aparelhos econômicos e políticos: é o idioma criado ou herdado pelo povo.”

(Olavo Bilac, poeta brasileiro)

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Maurício de Sousa: Maravilhoso!!


Uma vez que Maio é o mês das noivas e das mães, vamos retomar nossa homenagem a todas as mulheres com a série Donas da Rua, de Mauricio de Sousa.

Maurício de Sousa: Maravilhoso!!


Foi a paulistana Anita Malfatti quem apresentou a arte moderna para o Brasil. Depois que terminou os estudos no nosso país, foi aprender pintura na Europa. Lá, visitou museus, estudou desenho, História da Arte, conheceu Van Gogh e se encantou com as cores do Expressionismo (movimento artístico que aconteceu entre 1905 e 1930, em que os artistas expressavam emoções por meio de cores intensas). Em 1917, reuniu seus trabalhos na “Exposição de Pintura Moderna de Anita Malfatti”, em São Paulo. Mas sua arte foi criticada pelo escritor Monteiro Lobato, que comparou o trabalho “aos desenhos dos internos dos manicômios”. Cinco anos depois, ela foi uma das três mulheres a participar da Semana de Arte Moderna, em 1922, ao lado de outra pintora, Tarsila do Amaral, e da pianista Guiomar Novaes.

quinta-feira, 2 de maio de 2019

Um homem revira metade...

Stefan Eckert

“Um homem revira metade de uma biblioteca para fazer apenas um livro.”

(Samuel Johnson, escritor inglês)

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Dia Mundial do Trabalho

Stevan Dohanos


“Escolha um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida.”

(Confúcio, filósofo chinês)

terça-feira, 30 de abril de 2019

O progresso nos dá tanta coisa...

Élon Brasil

“O progresso nos dá tanta coisa que não nos sobra nada nem para pedir, nem para desejar, nem para jogar fora.”

(Carlos Drummond de Andrade, poeta e cronista mineiro)

segunda-feira, 29 de abril de 2019

A natureza ama a simplicidade...

Carlos Roberto Miranda

“A natureza ama a simplicidade.”

(Johannes Kepler, astrônomo alemão)

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Ao iniciar um casamento...

Sonia Gansterer

"Ao iniciar um casamento, o homem deve se colocar a seguinte pergunta: você acredita que gostará de conversar com esta mulher até na velhice? Tudo o mais no casamento é transitório, mas a maior parte do tempo é dedicada à conversa."

(Friedrich Nietzsche, em Humano, Demasiado Humano)

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Se me perguntarem, não sei dizer...

Frank Mason

“Se me perguntarem, não sei dizer o que comi ontem no almoço. Mas sou capaz de reproduzir diálogos inteiros da minha juventude. Gozado, isso. Vai entender. Memórias antigas? Nítidas, perfeitas, cheias de mínimos detalhes, cheiros e sons até. Fatos recentes? Coitados. Vão se segurando em mim, como podem. Parecem aqueles personagens de cinema, caras de terror, agarrados no alto do edifício só pelas pontinhas dos dedos. Quase todos despencam. E pior: diante do olhar de alguém que os vê de cima sem um pingo de misericórdia. Uma coisa ou outra fica, é verdade. Meio desbotada, imprecisa, extremamente grata à mão do cérebro que a resgata. Nenhum critério de seleção. A bobagem, o cérebro retém. O notável, ele descarta. O recado é direto: chega de colecionar lembrancinhas da viagem terrena. Fazer o que com toda tralha? Além do mais, com o correr ou o arrastar dos anos, não há fortuna que pague tal excesso de bagagem. Entendo perfeitamente os argumentos. Aceito sem queixumes. Só levo comigo o que a alfândega da mente deixa passar.”

(Francisco Azevedo, em Eusoueles “fragmentos)

terça-feira, 23 de abril de 2019

23 de Abril - Dia Mundial do Livro

Soledad Fernandez

“O romancista narra uma história. E narrar uma história é, em outras palavras, tomar a iniciativa de adentrar no inconsciente. É descer para as trevas do interior da mente. Quanto maior for a história que o escritor quiser contar, mais fundo ele precisará descer. Da mesma forma que, quanto mais alto for o prédio a ser construído, maior terá que ser sua fundação subterrânea. Quanto mais densa for a narrativa, mais pesada e mais espessa serão as trevas subterrâneas.”

(Haruki Murakami, no livro Romancista como vocação)