quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A custo rompe o sol...

Vasco Machado

A custo rompe o sol; a custo invade
O espaço todo branco; e a luz brilhante
Fulge através do espesso nevoeiro,
Como através de um véu fulge o diamante.

Vento frio, mas brando, agita as folhas
Das laranjeiras úmidas da chuva;
Erma de flores, curva a planta o colo,
E o chão recebe o pranto da viúva.

Gelo não cobre o dorso das montanhas,
Nem enche as folhas trêmulas a neve;
Galhardo moço, o inverno deste clima
Na verde palma a sua história escreve.

(Manhã de Inverno, de Machado de Assis)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget